Notícias

Com produção recorde, Taurus critica demora na certificação de armas no Brasil

Bolsonaro fez disparar registros

Empresa vem ajustando estratégias

Produção se desloca para os EUA

L
23.mai.2021 (domingo) - 5h50
atualizado: 23.mai.2021 (domingo) - 23h55

 

No 1º lançamento de uma arma de fogo feito simultaneamente nos Estados Unidos e no Brasil, o presidente da Taurus Armas, Salesio Nuhs, criticou a burocracia e o que chama de “questão regulatória”.

 

“Infelizmente nós tivemos que decidir produzir essa arma nos EUA, exportá-la para o Brasil, para poder fazer esse lançamento a nível global”, disse em uma live no canal da Taurus no YouTube, na 4ª feira (19.mai.2021).

 

A Taurus é a maior fabricante de armas leves do Brasil e da América Latina. Com sede na cidade gaúcha de São Leopoldo, tem 82 anos de existência. Em 2019 inaugurou uma unidade de produção na Geórgia, nos Estados Unidos. Antes, a planta internacional ficava na Flórida. Segundo Nuhs, é a empresa de armas que mais exporta para os EUA, além da 4ª marca mais vendida no mercado norte-americano.

 

live serviu para anunciar o lançamento da pistola microcompacta Taurus GX4, anunciada pela empresa como “um divisor de águas”. Em comunicado, a fabricante disse: “A arma ocupará um novo, importante e ainda inexplorado nicho de mercado para a companhia”.

 

A nova arma, voltada ao público civil, chega em um período de aquecimento do setor. A defesa que o presidente Jair Bolsonaro faz sobre armar a população, aliada à flexibilização de normas sobre porte e registro de armas, contribui para o cenário.

 

Só nos 4 primeiros meses de 2021 foram registradas 62.633 novas armas de fogo no país, segundo dados da PF (Polícia Federal). Em 2020 foram 177.782 novas armas. Os números de novos registros triplicaram de 2018 para 2020.

 

 

Antes de Bolsonaro assumir a presidência, em janeiro de 2019, o aumento anual de novos registros não ultrapassava 40%. De 2018 (foram 51.027 novos registros) para 2019, houve crescimento de 84%. Do ano passado para 2021, a alta foi de 89%.

 

Em entrevista ao Poder360 no final de 2020, especialistas associaram o aumento de armas às ações do presidente.

 

O pesquisador do Núcleo de Estudos sobre Violência e Segurança da UnB Welliton Caixeta Maciel afirmou que “existe um lobby muito forte da indústria armamentista“. Também disse: “Esse lobby vem sendo construído há muito tempo no Congresso e, com o atual governo, se viu favorecido“.

 

>USP e pesquisador sobre políticas de segurança pública, declarou que o aumento no número de novos registros de armas ocorreu pela “desorganização do ambiente regulatório que o governo Bolsonaro tem promovido“.

RECORDES

“onda armamentista” trouxe reflexos nos resultados de vendas da Taurus. A empresa registrou lucro líquido de R$ 68,1 milhões no 1º trimestre de 2021. Foi o 4º trimestre consecutivo com resultados positivos.

 

Eis a íntegra dos resultados financeiros (1,9 MB).

 

A maior parte da receita vem do mercado externo. No período, a empresa recebeu R$ 404,7 milhões de compradores estrangeiros, enquanto as vendas internas renderam R$ 146,4 milhões.

 

Nos 3 primeiros meses de 2021 a empresa fabricou 492.000 armas, o maior volume da história da companhia.

 

A relação da empresa com a gestão Bolsonaro, no entanto, tem seus altos e baixos. Em dezembro de 2020, o governo decidiu zerar as alíquotas de importação de pistolas e revólveres. A medida foi criticada pela Taurus. 

 

Ainda em dezembro, a empresa norte-americana SIG Sauer recebeu autorização do Exército para fabricar suas pistolas de calibre 9mm P320 no Brasil. A produção será feita pela Imbel (Indústria de Materiais Bélicos do Brasil), empresa estatal ligada ao Comando do Exército. A negociação teve apoio do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

 

Desde antes da campanha eleitoral de 2018, o presidente Jair Bolsonaro dizia que iria “quebrar o monopólio da Taurus.

 

Os bons resultados da Taurus também ocorrem em meio a uma outra preocupação da empresa: a regulação do setor no país.

DIFICULDADES PARA VENDER

Na live de lançamento da GX4, Salesio Nuhs disse que, atualmente, a empresa tem condições de oferecer ao consumidor brasileiro “quase todo” o portfólio da Taurus.

 

“Aí ficou outra frustração, que é o momento do lançamento. Nós estamos lançando a 4ª geração da ‘família G’ antes [de lançar] a 3ª aqui no Brasil, por conta dessas questões regulatórias”. 

 

Em entrevista ao Poder360, gravada em 30.mar, Salesio Nuhs afirmou que a “questão regulatória” é o maior obstáculo da Taurus. “Eu só vou conseguir lançar [a arma] no Brasil e nos EUA, simultaneamente, porque vou produzir essa arma nos EUA”.

 

O presidente da empresa também disse que, se nada mudar no Brasil, deve canalizar a produção para a unidade norte-americana. “Vamos manter a produção aqui [no Brasil], garantindo os 2.700 empregos diretos que temos aqui. Mas, enquanto não se resolver essa questão regulatória, para poder atender o consumidor brasileiro eu preciso produzir armas nos EUA”. 

 

“Para lançar o produto no Brasil, você precisa passar por um órgão de homologação que demora. Se não tiver nada na fila, são 2 anos [de espera]. Como eu tenho 378 produtos na fila, se você fizer uma matemática e dividir por uma média de homologações anual, eu tenho 40 anos de produtos na fila”, declarou.

 

O processo que autoriza e fiscaliza a fabricação de armas no Brasil é de responsabilidade do Exército.

QUESTÃO REGULATÓRIA

O número de pedidos da indústria de armas aprovados pela DFPC (Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados), órgão do Exército responsável pelo processo, vem caindo ao longo dos anos.

 

No 1º semestre de 2019 foram 252 pedidos liberados, de acordo com os indicadores de desempenho da DFPC. No 2º semestre de 2018 foram 305. Nos 6 meses anteriores, 264. No 2º semestre de 2017, 395, e no 1º semestre de 2017, 411.

 

Poder360 pediu ao Exército os dados relativos ao 2º semestre de 2019 e a 2020. Até a publicação desta reportagem não havia resposta.

 

De acordo com as informações mais recentes disponíveis, o tempo médio de análise dos pedidos é de 60 dias. Mas o prazo varia. Em fevereiro de 2019, por exemplo, o tempo médio de processamento foi de 111 dias.

 

A demora levou a uma mudança no rito de certificação. Em 18 de maio o Exército >anunciou que uma empresa passaria a atuar no processo. A T&A Brasil ficará responsável por fazer os ensaios para certificação e homologação de produtos controlados pelo Exército.

 

Segundo o Exército, a implementação da nova sistemática de avaliação dos produtos controlados “traz agilidade aos processos, além de facilitar o pleno desenvolvimento da capacidade de inovação da indústria nacional de PCE (produto certificado pelo Exército), garantindo tratamento semelhante ao  do produto importado”. 

 

 

Fonte: https://www.poder360.com.br



Avenida São Borja, n° 2181 - Prédio A - Fazenda São Borja - CEP: 93035-411
São Leopoldo - RS - Brasil
VER MAPA